Página Inicial > música, música erudita, piano, TV > as mais famosas músicas clássicas

as mais famosas músicas clássicas

quarta-feira, 01/09/2010 Deixe um comentário Go to comments

Já parou pra pensar no tanto de música clássica que conhecemos sem ao menos saber o nome ou o compositor? Tem aquelas que aparecem no Tom & Jerry, umas que vez ou outra tão num filme de hollywood e aquelas que todo mundo reconhece de imediato quando ouve mesmo sem ter a mínima idéia de que música é. Então, eu fiz uma pequena seleção dessas músicas pra falar um pouco sobre elas, o autor e esclarecer de uma vez por todas do que se trata.

A primeira que eu gostaria de falar é a Grande Valse Brillante op. 18, de Chopin. É uma das várias valsas do compositor romântico pra piano solo e a primera a ser publicada, apesar de outras compostas anteriormente terem sido descobertas postumamente. Todo mundo que assistia ou já assistiu Tom & Jerry e Looney Tunes deve se lembrar dela.

Quem assistia os dois desenhos citados deve se lembrar dessa próxima. A Rapsódia Húngara nº 2, de Franz Liszt, é parte de um conjunto de dezenove peças feitas em cima de temas do folclore húngaro. Apesar de terem todas sido também arranjadas para orquestra, suas versões originais, ao piano, são mais conhecidas e o são também, entre os pianistas, devido à sua grande dificuldade técnica – como tudo do Liszt. Quem se lembra do Jerry importunando o Tom ao piano e do Pernalonga tendo que pausar o concerto por causa dos barulhos da platéia não tem como não se lembrar dessa música.

Edvard Grieg, compositor norueguês do romantismo, pode não parecer tão conhecido perto de grandes como Beethoven ou Bach, mas duas de suas peças já tocaram em tudo quanto é desenho e filme. Coincidentemente, ambas parte de uma mesma suíte, a Peer Gynt, que é a musicalização de uma peça de teatro homônima escrita pelo dramaturgo Henrik Ibsen.

Essa primeira sempre me lembra de um episódio do Pateta (da Disney) falando sobre jardinagem, mas já tocou até em propaganda de roupa. Chama-se Amanhecer.

E essa outra é bastante conhecida. Tocou em Uma Noite no Museu 2, Tá Todo Mundo Louco e vários desenhos. Tenho certeza de que você já ouviu:

A introdução instrumental da ópera Guilherme Tell, de Gioachino Rossini, hoje em dia é provavelmente mais conhecida hoje por conta de alarmes irritantes de carro, mas já apareceu muito na TV. Abaixo, uma cena do filme Laranja Mecânica onde toca ela, numa versão de Wendy Carlos exclusiva para o filme, gravada num sintentizador Moog:

O alemão Richard Wagner compôs uma tetralogia de óperas baseadas no mito nórdico O Anel dos Nibelungos. A segunda dessas óperas chama-se As Valquírias. Abrindo o terceiro ato, tem-se a parte mais popular, conhecida como A Cavalgada das Valquírias. Já assistiu Apocalypse Now?

O Quebra-Nozes, de Tchaikovsky, deve ser provavelmente o ballet mais conhecido. Sempre que chega perto do Natal acontecem várias apresentações dele. Baseado na história de E. T. A. Hoffman, a abertura de seu segundo ato já tocou em filmes, desenhos e comerciais.

Se você nunca ouviu o primeiro movimento da Sinfonia nº 40, de Wolfgang Mozart, certamente nunca teve um celular de toque monofônico.

Apesar de Carl Orff não ter muitas músicas conhecidas, sua cantata Carmina Burana se ressalta. Feita em cima de um códex homônimo de poesias medievais, sua primeira parte, O Fortuna, é outro destaque em aparições televisivas.

E, pra finalizar, a 5a. Sinfonia de Ludwig van Beethoven.  Você ouve gente na rua cantando as quatro primeiras notas, o motivo que ronda a peça inteira. Mas não são muitos que sabem do que se trata. Como uma das músicas mais conhecidas, já foi regravada em versão disco, por guitarristas, como rock, apareceu em desenhos, filmes, vinhetas, comerciais, etc etc. À altura de sua composição, Beethoven já vinha sentindo os sintomas de uma crescente perda de audição, que acabou deixando o compositor surdo.

Com certeza há muitas outras músicas eruditas conhecidas, mas então precisaríamos de um espaço muito maior e não pretendo entediar os leitores. De qualquer forma, podemos pensar, depois de todas essas peças, que é de se perguntar se erudita não é um termo muito forte para o gênero. Eu, enquanto estudante de Música, concordo que realmente se faz necessária a instrução acadêmica pra ter-se uma boa compreensão do que acontece em peças eruditas, os pequenos detalhes, as mudanças de clima… Mas com uma simples iniciativa de incentivar esse gosto que os produtores de desenhos animados antigos, como esses que citamos, por exemplo, foi possível fazer com que toda uma geração (e as seguintes) pudessem sentir algum apreço maior pelo gênero, diminuindo aquela distância. Então eu pergunto: por que leigos não poderiam apreciar música clássica? Será que ela precisa ser realmente erudita?

About these ads
  1. Mag
    quarta-feira, 01/09/2010 às 4:02

    Quem dera ter me deparado com um post desse há uns 5 anos. Teria poupado um bom tempo de pesquisa XD.

    Post-utilidade-pública (vindo de quem realmente entende)

    sugiro uma versão 2.0 =)

  2. segunda-feira, 06/09/2010 às 12:29

    Teria poupado mesmo, sempre tive curiosidade de saber quais eram as músicas que tocavam e você fez esse post. *-*

  3. Diego
    terça-feira, 06/09/2011 às 16:40

    Otimo Post!

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: